Post Page Advertisement [Top]

MAÇÃ VIRA BIOMATERIAL E REGENERA OSSOS E CARTILAGENS
MAÇÃ VIRA BIOMATERIAL E REGENERA OSSOS E CARTILAGENS
MAÇÃ VIRA BIOMATERIAL E REGENERA OSSOS E CARTILAGENS Uma maçã por dia mantém você longe do médico. Esse provérbio inglês resume bem o que o alimento proporciona para o organismo. 

A maçã é uma fruta de origem asiática e há mais de sete mil espécies diferentes, cada uma com características específicas, mas com propriedades nutricionais semelhantes. Saborosa e prática de carregar, ela possui nutrientes importantes que estimulam o corpo a prevenir doenças.

Pesquisadores espanhóis criaram uma técnica para produzir materiais biocompatíveis de uso médico a partir de resíduos da indústria agroalimentar – especificamente do bagaço de maçã resultante da produção de suco. Estes materiais biocompatíveis podem ser utilizados como matrizes 3D para a regeneração de tecidos ósseos e tecidos cartilaginosos, sendo úteis na medicina regenerativa para o tratamento de doenças como osteoporose, artrite ou osteoartrite. Na Europa, cerca de 75% das maçãs cultivadas são convertidas em suco e o resto, conhecido como bagaço de maçã, que contém apenas de 20% a 30% de matéria seca, é usado principalmente como ração animal ou para compostagem. Assim, a técnica também adiciona valor à cadeia produtiva agrícola.

Extração sequencial Malcolm Yates e seus colegas da Universidade Politécnica de Madri submeteram o bagaço de maçã a um processo de extração sequencial, extraindo diferentes moléculas bioativas, como antioxidantes e pectina, até finalmente obter um resíduo a partir do qual eles prepararam um biomaterial com porosidade e textura adequadas para ser usado na engenharia de tecidos. Os compostos químicos extraídos – 2% de antioxidantes e carboidratos e 10% de pectina – têm um valor reconhecido como nutracêuticos. 

A pectina especificamente é um material de grande utilidade em diferentes aplicações médicas, dada a sua alta biocompatibilidade, sendo parte de fármacos antitumorais e no tratamento de feridas cutâneas. Isto amplia o valor potencial da técnica em sua capacidade de gerar valor, mas a equipe se concentrou no material restante, que apresenta estrutura, textura e composição adequadas para cultivar diversos tipos de células.

Principal fonte:

Nenhum comentário:

Bottom Ad [Post Page]

| Designed by Filipe Queiroz